Esta semana eu aprendi algo incrível sobre as pessoas ao passear com minha cachorrinha.

Eu sempre levo ela para passear de manhã com a coleira e com um bastão na mão para afastar os cachorros mais bravos, porque ja tive experiencias desagradáveis nos primeiros passeios e nao tinha como agir nestes casos.  Depois disso, quando um cachorro se aproxima eu simplesmente mostro o bastão, balanço ele para os mais insistentes e até uso em casos extremos de ataque para afasta-los.

Mas eu decidi fazer algo diferente e passear com ela a noite, deixando ela ir sem a coleira, porque a noite tem menos cachorros na rua e o passeio é bem agradável com a brisa do mar e o barulho das ondas.  As vezes eu até vou com ela passear na areia da praia para curtir a imensidão do ceu estrelado e o barulho estrondoso das ondas do mar.

Ela foi toda feliz andando na frente e se afastando bastante de mim. Eu como sempre fico impressionado com a Altivez dela, como se estivessse me conduzindo, senhora de si mesma.

Mas o que me chamou atenção é que por alguma razão ela nao se desligava totalmente.  Andava na frente e quando se afastava de mais, parava, me esperava. Quando chegava uma encruzilhada de um quarteirão ela me olhava para saber se eu iria entrar em determinada rua, e se eu entrasse, ela voltava me seguia e novamente retomava a dianteira conduzindo a jornada.

Fiquei com a nítida impressão como se houvesse um fio invisivel nos ligando. O fio esticava, encurtava, fazia curvas, mas nao se rompia.

Eu caminhava como sempre olhando as estrelas e refletindo sobre as situações da vida. 

 Me veio então a mente que este fio era feito de um Material chamado Confiança. Era isso que nos unia.

Ela já confiava em mim a algum tempo, tanto que estava sempre a me seguir, e me obedecer, mesmo antes de adota-la, porque na verdade foi ela que me adotou.  Nós cuidamos dela quando estava toda machucada por brigas com cachorros, levamos no veteriário, demos vacina, vitaminas e passamos a alimenta-la,  e a partir dai virei seu dono. Ou ela minha dona.

Mas por medo dela voltar a se ferir nas brigas com os cahorros vadios, ou dela comer porcarias na rua e se entoxicar de novo, não confiava o suficiente para deixa-la Livre.

Entendi por minha conta, que a confiança (com-fiança) é um Fio que une as relações Humanas, o fio dos Rela-lacionamentos, que refaz laços capazes de vencer os medos e unir forças para ficarmos mais fortes ligados e harmonizados do que separados em oposição.

Pensei então nas pessoas que tem problemas de relaconamentos justamente com aqueles que amam, mas não abrem mão de certas posições e valores em favor do outro, talvez por terem sofrido decepções no passado.  É realmente dificil ver a situação de fora e nao poder ajudar, sabendo que um tem o que o outro precisa e talvez passam ser muito felizes juntos se souberem conciliar as diferenças e construir laços de relacionamento com confiança.

Entendi que a confiança é uma espécie de tecido, uma trama que se constroi ponto a ponto, como um bordado, mas que se rompe facilmente uma vez que deixemos o medo se instalar ou se não soubermos estabelecer os limites claros e razoaveis, que poderiam harmonizar as relações e proteger nossos valores até que tenhamos capacidade para abrir mão deles, porque nem todos podem compreender a riqueza de nossas experiencias pessoais.

Penso que podemos construir laços de confiança através de ofertas generosas daquilo que somos e daquilo que temos, abrindo assim as portas dos corações. E para isso precisamos olhar melhor as coisas e ver mesmo naquilo que criticamos ou temos medo, o lado bom, util e belo.

Somos Seres humanos diferentes, temos experiencias diferentes, necessidades diferentes e isso pode ser um problema se tivermos medo, mas pode tambem ser uma grande oportunidade de tornar o nosso mundo um pouco mais amplo, se tivermos a coragem de investir em relacionamentos apoiados na confiança e na reciprocidade.

João Sérgio P. Silva

————————

Belíssimo, João Sérgio!

O texto é inspirado e inspirador.
 
Assim que acabei de ler, me veio à mente o que é, de fato, importante para se conquistar a confiança.
 
A iniciativa é o fator fundamental, adotarmos uma postura de acreditar no que alguém faz por nós. Que não seja interesse, que não seja uma mentira, por menor que seja, dar primeiro sem condicionar, e acreditar que não será enganado ou traído.
 
Não importa se a pessoa parece má ou o cachorro parece feroz. Ambos podem voltar-se contra nós por experiências anteriores de desilusões e dores.
 
Desarmar-se e oferecer o nosso compartilhamento para que os sofrimentos antigos sejam esquecidos, e novas esperanças possam surgir a partir de um novo relacionamento.
 
Muitos dizem que querem amar, mas estão sempre desconfiados e críticos, afastando quem se aproxima.
 
A cachorrinha tinha lembranças ruins de pessoas ou de outros cães, mas percebeu que podia confiar na sua amizade.
 
O amor sempre começa assim, ser amigo e mostrar que ao nosso lado, a pessoa amada poderá se sentir segura. O mesmo se aplica aos animais.
 
Acho, portanto, que o segredo está em conquistar a confiança, tomando a iniciativa de dar, antes de receber, proteger, sem cuidar de criar defesas.
 
A sua reflexão me conduziu à minha. 
 
Como é bom confiar e poder abrir o coração a um grupo de amigos, não é mesmo?
 
Abraços.
 
Gilberto Gonçalves
 

Gostou do texto? Compartilhe para seus amigos e cadastre-se para receber novas mensagens.

grupo zap

 

Curso de Numerologia pratica

Jornada_Menina