Olá pessoal,
Ha alguns dias Caiu um passarinho do ninho de uma árvore do meu quintal.  Não sei o nome, um pássaro grande com a parte de baixo bem colorida e avermelhada. Ele é bem grande e percebi que era filhote porque a mãe vem colocar alimento da boca dele toda hora.

Ele foi ficando por aqui andando pelo quintal e a cada hora escolhia um vaso de planta para se abrigar. A mãe incasável, desce toda hora com comidinha na boca e fica procurando ele até encontrar.

Acontece que eu acabei me tornando meio pai dele também. Toda hora vou ver como ele está. Antes de dormir vou ver se ele está bem e a primeira coisa que faço de manha é ir lá procura-lo.

Achei melhor nao interferir muito pois se eu abrigasse ele dentro de casa a mãe não poderia alimentá-lo.

Ontem tomei um susto porque quando fui ve-lo pela manhã estava deitadinho com os olhos fechados. Mas que nada, era pura preguiça e mais tarde ele acordou todo espertinho.

Mas esta noite quando voltei do quintal me dei conta de que ja se passou quase uma semana e de certa forma eu estou me envolvendo com o bichinho que daqui a pouco vai bater asas.

Mas a grande reflexão foi de que a vida dá muito trabalho para ser construida… Um passarinho pequenino leva muitos dias para conseguir começar a viver sozinho e outros animais maiores precisam de muitos meses.

Ai eu pensei que a gente leva muito mais tempo e dá muito trabalho. Pelo menos alguns anos até que tenhamos condições de se virar sozinho. Sem ajuda a gente nem sobreviveria. Quanta gente trabalhou duro para cada um de nós chegar a fase adulta.

A vida custa muito Caro.

Quem sustenta toda esta vida abundante, quem está no centro de todos os fios que ligam as vidas?

Será que as pessoas tem esta noção de quanto vale uma vida…

————–

Que bela história para entendermos o trabalhão no dia a dia para manter a vida… 

Ao mesmo tempo em que a benção da existência é imensurável, infinita e generosa… manter os pequenos-grandes detalhes para que cada vida-filhote se torne uma vida-adulta é sem dúvida trabalho dobrado: cuidar de si e do outro.

Na outra ponta, quando o adulto cuida do idoso, se repete o processo.

Quando temos alguém pra cuidar, por conta do cansaço, muitas vezes não percebemos o VALOR muito além do monetário para esse trabalho voluntário. Cuidar-se e cuidar é o que permite o milagre da vida. 

A vida é tão espetacularmente incrível que foge até do nosso campo de percepção – o quadro é infinitamente maior que nossos sentidos. 

Quando nosso ser inteiro se dá conta da maravilha da vida – por exemplo quando nos sentimos completamente amados – é que damos um valor tremendo e começamos a cuidar, me parece.

Então, cada um dos suicidas endêmicos está desesperadamente procurando por amor. Será que conseguiremos transbordar o nosso?

Com esperança,

Abraços apertado em todos,

João Sérgio e Silvia Fittipaldi