Harmonizando…

Um toque suave…
Leve como as nuvens…
Embala a cantiga doce…
Que acalma a fera presente.
Um regato sereno…
Murmurando afável aos ouvidos.
Tudo parece sereno e calmo…
A respiração declina sonolenta…
Cada sentido…
Pouco a pouco empalidece a consciência…
Uma onda delicada serpenteia um aroma acolhedor.
O corpo sede ao deleite da mansidão…
Se deixa conduzir num hipnotizante transe…
Abandonando a vigília militante.
Nos perdemos no todo…
Na ausência total da personificação…
Alheios ao estímulos do desejo…
Entregues numa suspensão da existência.
Somos o todo…
O vazio…
A fonte!
Unos somente a criação.
Libertos do reino ilusório…
Do império da matéria…
Navegamos num estado de magneficência…
Totalmente entregues a Origem Primordial.

DayseGhaya