22497637_1538726389483945_1880141240_n

Vida de casada é mesmo engraçada.

As vezes no meio de uma discussão, ou fazendo juntos o almoço de domingo, você percebe que não se casou só com uma pessoa. Se casou com uma família inteira. Com várias gerações que habitam aquele sorriso, aquele gesto, aquela maneira de falar.

Os anos vão passando, e aquele adolescente de antes vai se tornando homem, a barba cresce, o cabelo muda. As ideias de mundo evoluem. E um medo grade vem. Quando você percebe que não vai ser casada mais com a mesma pessoa. Que aquela pessoa vai se transformar em outra ano que vem, e outra ainda diferente a cada ano que passar. Será que eu vou amar a próxima pessoa que vai chegar? Estamos todos em constante transformação.

É como se cada um de nós fosse uma árvore. E com o passar do tempo as folhas vão caindo e se renovando. Mas a raiz vai crescendo e crescendo. Se expandindo sob a terra. E vai mandando praquelas folhas a energia que elas precisam pras suas constantes renovações. Mas a raíz.. A raíz é sempre a mesma. É firme. Ela cresce, modifica sua forma. Mas é a mesma.

Vida de casada é mesmo engraçada.

Quando você percebe que o medo é passageiro. Quando você percebe que vai pra sempre amar aquela árvore. Porque quando você percebe que aquele sorriso vem da mãe, a maneira de falar vem do pai, e o gesto do irmão mais velho, você entende que o que te encantou foi mesmo a raíz. A raíz que só você conseguiu enxergar. As vezes as folhas eram tão verdes e tão vivas, que te chamaram atenção. Mas quando você chegou mais perto, e conseguiu enxergar a raíz, viu que quer seus filhos com o mesmo sorriso. Seus netos com o mesmo gesto. Quer ver o seu avô conectado com o avô dele. Quer ver duas raízes se entrelaçando sob a terra.

Além do Espelho/João Nogueira

Quando eu olho o meu olho além do espelho

Tem alguém que me olha e não sou eu

Vive dentro do meu olho vermelho

É o olhar de meu pai que já morreu

O meu olho parece um aparelho

De quem sempre me olhou e protegeu

Como agora meu olho dá conselho

Quando eu olho no olhar de um filho meu

A vida é mesmo uma missão

A morte uma ilusão

Só sabe quem viveu

Pois quando o espelho é bom

Ninguém jamais morreu

Sempre que um filho meu me dá um beijo

Sei que o amor de meu pai não se perdeu

Só de ver seu olhar sei seu desejo

Assim como meu pai sabia o meu

Mas meu pai foi-se embora no cortejo

E eu no espelho chorei porque doeu

Só que olhando meu filho agora eu vejo

Ele é o espelho do espelho que sou eu

A vida é mesmo uma missão

A morte uma ilusão

Só sabe quem viveu

Pois quando o espelho é bom

Ninguém jamais morreu

Toda imagem no espelho refletida

Tem mil faces que o tempo ali prendeu

Todos têm qualquer coisa repetida

Um pedaço de quem nos concebeu

A missão de meu pai já foi cumprida

Vou cumprir a missão que Deus me deu

Se meu pai foi o espelho em minha vida

Quero ser pro meu filho espelho seu

A vida é mesmo uma missão

A morte uma ilusão

Só sabe quem viveu

Pois quando o espelho é bom

Ninguém jamais morreu

Gostou do texto?

Preencha os formulário para receber novas mensagens.

Curso de Numerologia (1)