Mandala em sânscrito significa círculo, considerada como símbolo de integração, harmonia e eternidade, onde há grande concentração de energia, também chamada de círculo mágico.

É muito usada como ferramenta para atingirmos altos níveis de concentração e estados superiores de consciência.

Antigamente foi e ainda é usada como meio de expressão artística  e religiosa, podendo ser constatado no símbolo do Tao ( Yin Yang), nos rituais indígenas e nas artes religiosas.

No Budismo a mandala simboliza o palácio  da divindade, a morada de nosso Eu Divino. Suas mandalas geralmente feitas de areias coloridas são consagradas e imediatamente após a cerimônia tem suas areias jogadas num rio como forma de espalhar a energia e demonstrar  que tudo na vida é impermanente.

Quando fazemos uma mandala com cristais, estamos concentrando grande energia dos cristais utilizados e as enviando a distância para a pessoa necessitada. Para isso é necessário sabermos nome, data de nascimento e a queixa da pessoa para identificarmos o cristal necessário a ser enviado.

A mandala está presente também na natureza. Como exemplo temos  o girassol e os anéis das árvores, cujos espirais representam o Universo.

Segundo Carl Jung  “- As mandalas são como quadros representativos ideais ou personificações ideias que se manifestam na psicoterapia; sendo interpretadas como símbolos da personalidade no processo da individualização”.